Categoria

Dicas verdes

Categoria

Arquiteto e paisagista: entenda de vez as diferenças entre as profissões

Você certamente sabe um pouco sobre as profissões de arquiteto e paisagista. Porém, o que fica confuso para a maioria das pessoas é a diferença entre as duas funções e como elas se relacionam.

Esta também é sua dúvida? Se sim, não se preocupe: este post é para você! Continue a leitura e descubra o que cada um desses profissionais faz, quando eles trabalham juntos, qual a formação acadêmica de cada um e muito mais.

Paisagismo x jardinagem

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que o trabalho do paisagista não é o mesmo do jardineiro. Isso porque o paisagista cria um projeto e supervisiona sua execução, que é conduzida por uma equipe composta por pedreiros, eletricistas e, claro, jardineiros. O jardineiro, além de executar parte do projeto paisagístico, é a pessoa que vai mantê-lo sempre bonito. Ele fará podas e adubações, mudará plantas de lugar e limpará o jardim.

Integração

Os trabalhos do arquiteto e do paisagista são sempre integrados. Isso porque o paisagismo não pode existir sem a arquitetura, já que é uma espécie de ramo dela (uma pós-graduação que o arquiteto pode fazer).

Isso significa que muitos paisagistas são arquitetos — e muitos arquitetos são paisagistas. Por isso, se você vai construir ou reformar sua casa, o ideal é contratar um arquiteto que tenha essa especialização.

Formação

O arquiteto é uma pessoa com formação no curso de Arquitetura e Urbanismo. Para tornar-se paisagista, é preciso especializar-se na área, adquirindo conhecimentos relacionados à biologia e botânica, para compreender melhor as plantas, e à geografia, para aprender mais sobre solo, clima etc.

Quando o paisagista escolhe alguma espécie vegetal para um projeto, ele não está levando em conta somente sua beleza, mas sua viabilidade naquele ambiente onde será inserida.

Paisagismo e urbanismo x Arquitetura e urbanismo

O paisagismo não serve somente para criar áreas bonitas e repletas de plantas dentro de imóveis. Projetos de praças, parques, ruas arborizadas e recuperação de áreas desmatadas são da alçada do paisagista, caso o mesmo também seja urbanista. Já os arquitetos, todos são urbanistas por formação.

Nestes casos, é preciso levar em conta todo o ecossistema da região, evitando:

  • árvores com portes inadequados, que prejudiquem as fiações elétricas e raízes que destruam vias e calçadas. 

  • árvores que atraiam insetos que são pragas;

  • plantas que causem competição por espaço com a vegetação nativa;

  • espécies que prejudiquem o lençol freático, entre outras.

Participação no plano diretor

Na hora de criar projetos urbanísticos para um bairro, uma encosta de estrada ou outras obras referentes ao desenho urbano, arquitetos e paisagistas também trabalham juntos. Os profissionais traçam projetos que devem dialogar entre si.

O projeto do arquiteto leva em conta as construções, as estruturas, os materiais utilizados e outros aspectos técnicos. Já o trabalho do paisagista volta-se à preservação, à implantação, ao fortalecimento das espécies vegetais nativas e às formas de utilizá-las em benefício da obra.

Agora que você já sabe a diferença entre arquiteto e paisagista, que tal entrar em contato conosco para desenvolver seu projeto paisagístico? Estamos aguardando!

Saiba como montar um lindo jardim vertical com essas 6 dicas

Sabe aquele cantinho bem florido e charmoso que você vê nas revistas ou na novela? Pois é. Dá para fazer um desses na sua casa, mesmo que o seu lar seja pequeno. Um jardim vertical é uma ótima ideia para quem tem pouco espaço em casa, mora em apartamento ou simplesmente quer criar uma composição mais moderna com suas plantinhas.

Se você  adora plantinhas mas vive em um lugar pequeno, eles são ideais para você. Você quer saber mais sobre os jardins verticais e aprender a montar um em casa? Confira essas 6 dicas que preparamos para ajudá-lo nesse empreendimento!

1. Entenda o que é jardim vertical

O jardim vertical é uma forma diferente de organizar suas plantas, prendendo-as em estruturas na parede. Assim, cada vaso fica em uma altura diferente, criando um efeito visual inovador.

Geralmente, são utilizadas plantas pequenas e que tenham alguma semelhança entre si. Por exemplo, você pode fazer um jardim vertical com vários tipos de violetas, com cactos ou suculentas.

2. Saiba onde colocar o seu jardim

Qualquer área da casa pode servir quando a questão é como montar um jardim vertical. Mas é preciso atentar para as particularidades de cada espécie.

Por exemplo, se você for utilizar plantas que não gostam muito de sol, ele pode ficar na sala de estar ou no seu quarto. Caso as plantas precisem de bastante luz e calor, o jardim vertical pode ser instalado em uma área externa. Além da localização, o jardim pode ocupar uma parede inteira ou não, dependendo dos materiais que você tiver.

3. Escolha as plantas

Desde que você leve em conta a harmonização visual entre as plantas e as necessidades de cada uma delas, é possível escolher qualquer espécie de que você goste para compor o seu jardim vertical.

No quintal, por exemplo, você pode criar uma grande parede de samambaias ou outras plantas que se estendam para fora do vasinho (trepadeiras), criando uma composição diferenciada. Na cozinha, você pode fazer um espaço com temperos frescos (tomilho, manjericão, etc).

4. Escolha a parede

A parede onde o jardim ficará apoiado é tão importante quanto as plantas. Certifique-se de que a sua parede está lisa e tem bom acabamento, para que a fixação do suporte seja efetiva. Também é importante levar em conta a localização da parede, para que as plantas recebam todo o ar e luz solar de que precisam.

5. Defina os materiais do suporte

O painel de suporte para as plantas pode ser feito com paletes e outras estruturas de madeira reciclada, desde que ela esteja lixada e em boas condições. Outra opção interessante é a treliça, onde é fácil pendurar ganchos para os vasos.

Você pode ainda comprar placas modulares ou nichos em madeira que já venham com espaço para o encaixe de vasos. Ou ainda adquirir um painel de ferro para fixar as plantas, tomando cuidado para não deixá-lo em um local com incidência constante de chuva.

6. Fique atento para a seleção dos vasos

Se seu vaso é de plástico ou de porcelana, é melhor que ele não seja furado para ser pendurado no suporte. Nesse caso, coloque-o dentro de um vaso maior de cerâmica ou mesmo de um caixote de madeira.

Vasos de cerâmica, aliás, são perfeitos para uso em jardim vertical, pois podem ser furados sem nenhum risco de danos. Alguns recipientes são feitos especialmente para jardim vertical, tendo a parte de trás plana e a da frente arredondada, para melhor encaixe no suporte.

Agora que você já sabe como montar um jardim vertical, que tal deixar um comentário aqui embaixo? Nós queremos saber como você pretende fazer o seu!

Arrase na decoração externa com essas 6 plantas

Ao compor um quintal ou um jardim, é natural que surjam muitas dúvidas. Afinal, quais são as melhores plantas na decoração externa? A verdade é que o importante é que elas se deem bem com receber bastante sol e, claro, sejam do seu agrado.

Para ajudar com esta escolha, preparamos uma lista com algumas espécies bem bonitas, que ficarão ótimas em sua casa. Quer saber mais sobre elas? Continue a leitura e confira!

1. Palmeira Fênix

Também conhecida como Tamareira Anã, a Palmeira Fênix agrada bastante, por ser muito parecida com as grandes palmeiras que encontramos em cidades litorâneas, ou projetos paisagísticos públicos. Outra vantagem é que elas não precisam de muito espaço para se desenvolver, podendo, inclusive, ser plantadas em grandes vasos. Devem ser regadas periodicamente, mas esse tempo varia de acordo com o clima.

2. Jasmim do cabo

É uma linda flor, que se diferencia de outras por crescer em arbustos. Pode ser plantada em vasos, em jardins, ou mesmo em sebes. É uma espécie que vem de regiões quentes da Ásia, por isso, se dá bem com o clima brasileiro. Esta planta precisa de duas podas e duas adubagens por ano. Fora isso, basta regar uma vez por semana, ou quando a terra perder a umidade.

3. Cica

Também chamada de Sagu de Jardim, a Cica é uma planta que precisa de sol, mas é melhor que a incidência não seja o dia inteiro. Sua origem é japonesa, e suas folhas são utilizadas na medicina oriental.

A Cica assemelha-se a uma palmeira e pode crescer até 3 metros.

4. Periquito vermelho

As plantas conhecidas como Periquito são bastante ornamentais. Elas possuem uma altura muito reduzida, e são uma forração, por isso, podem substituir a grama na hora de criar um jardim. O Periquito Vermelho é uma planta que se destaca por suas folhas possuírem um tom cor-de-rosa exuberante. Elas devem ficar em locais com sol constante, serem regadas quase todos os dias, e seu solo precisa ser adubado com frequência.

5. Thunbergia Grandiflora

A Thunbergia Grandiflora é uma planta trepadeira, portanto, é perfeita para ser colocada próxima a estruturas, como gazebos e pergolados. Esta espécie dá lindas flores, em variados tons de azul. Tem se popularizado no Brasil por gostar de sol e ser resistente ao clima quente. Deve-se borrifar água nesta planta com frequência, principalmente em dias mais secos, e fazer a poda quando ela estiver crescendo fora do formato desejado.

6. Azaleia Bola

Trata-se de uma planta arbustiva, que dá pequenas flores roxas, brancas ou cor-de-rosa. Quando não está em florada, suas folhas têm um formato arredondado bastante ornamental. É uma planta que se dá bem com o sol, mas também pode ser plantada em vasos e ficar à meia-sombra. Uma das espécies mais versáteis de plantas na decoração externa.

Usar lindas espécies vegetais nas áreas externas da casa é uma das principais maneiras de deixá-las mais aconchegantes. Mas, além de plantas na decoração externa, existem outras formas de fazer isso. Veja mais dicas em nosso post sobre decoração para a área externa!

 

4 dicas para fazer uma horta em sua casa

As verduras e hortaliças que você consome não estão livres da contaminação pelos venenos dos agrotóxicos. Quer ter uma vida mais saudável? Que tal fazer uma horta em sua casa?

Sabia que muitas pessoas têm essa prática, que vem se transformando em hobby hoje em dia? Hobby que traz economia e a certeza de consumir alimentos adubados naturalmente, livres de agrotóxicos. Além disso, uma horta dentro de casa é também terapia e beleza. Alegra o ambiente e dá aquele toque de paisagismo que todo mundo aprecia.

Ter qualidade de vida é, hoje em dia, uma meta que todos queremos alcançar, e o consumo de alimentos mais saudáveis é fundamental para atingir esse objetivo. Imagine poder semear e colher verduras e hortaliças saudáveis sem sair de casa. Sim, é possível e mais fácil do que parece. Confira agora 4 dicas de como fazer uma horta saudável na sua casa

1. Semeie no lugar certo

O primeiro passo é ter uma bandeja de germinação, que é o lugar em que devem ser plantadas as sementes. Assim que elas germinarem e brotarem, serão transferidas ao local escolhido para crescerem e serem cultivadas. Os locais podem ser os mais variados, como jardineiras, vasos ou qualquer recipiente que possa comportar terra.

2. Defina um espaço da casa para fazer a horta

O lugar em que você vai fazer sua horta vai determinar o sucesso da colheita. Por exemplo, os temperos, como cheiro-verde, orégano, manjericão etc., podem ser cultivados em pequenos vasinhos de plástico, que poderão ficar até na cozinha. Já para as verduras, como alface, couve, escarola etc., a varanda ou um cantinho na lavanderia será mais adequado para o crescimento das plantas.

3. Tenha cuidado com a iluminação do ambiente

Um fator muito importante no local escolhido é a iluminação, as plantinhas precisam de muita luz. Se você dispõe de uma área aberta que proporcione maior contato com a luz solar, melhor. Caso contrário, é possível fazer uma horta móvel, que busque uma fresta iluminada a cada hora do dia. O importante é ter a luminosidade que, ao entrar, vai suprir a necessidade do contato com o sol.

4. Utilize adubos naturais para fazer uma horta orgânica

Um dos fatores mais importantes e que vão deixar sua horta cheia de vida e produzindo com força é o tipo de terra que você vai usar. Há alguns produtos no mercado que ajudam nessa empreitada, porém, se você quiser preparar a terra, aqui vão as dicas.

A receita é simples, os ingredientes principais são: esterco de vaca, casca de ovos e húmus de minhoca. O preparo é feito moendo-se a casca dos ovos e misturando tudo muito bem ao esterco e ao húmus. Feito isso, é só misturar à terra e pronto, a vitamina de sua horta está pronta.

Fazer uma horta em casa e ter uma vida mais saudável não é difícil, mas requer mão de obra assídua, já que, durante o crescimento, os temperos e verduras precisarão de atenção e cuidados. Por isso, há profissionais que têm como ofício o cuidado, o zelo e o carinho com o verde. São especialistas no que fazem, desde uma horta caseira até paisagismos incríveis que vão deixar o ambiente em sua casa agradável e natural, sem falar da beleza viva que transmite uma área cuidada por um bom paisagista.

Achou bacanas essas dicas para fazer uma horta em casa? Quer fazer de sua casa um ambiente agradável e convidativo com a beleza do paisagismo? Siga-nos nas redes sociais e veja também como jardins internos e externos podem valorizar o ambiente!

As verduras e hortaliças que você consome não estão livres da contaminação pelos venenos dos agrotóxicos. Quer ter uma vida mais saudável? Que tal fazer uma horta em sua casa?

Sabia que muitas pessoas têm essa prática, que vem se transformando em hobby hoje em dia? Hobby que traz economia e a certeza de consumir alimentos adubados naturalmente, livres de agrotóxicos. Além disso, uma horta dentro de casa é também terapia e beleza. Alegra o ambiente e dá aquele toque de paisagismo que todo mundo aprecia.

Ter qualidade de vida é, hoje em dia, uma meta que todos queremos alcançar, e o consumo de alimentos mais saudáveis é fundamental para atingir esse objetivo. Imagine poder semear e colher verduras e hortaliças saudáveis sem sair de casa. Sim, é possível e mais fácil do que parece. Confira agora 4 dicas de como fazer uma horta saudável na sua casa

1. Semeie no lugar certo

O primeiro passo é ter uma bandeja de germinação, que é o lugar em que devem ser plantadas as sementes. Assim que elas germinarem e brotarem, serão transferidas ao local escolhido para crescerem e serem cultivadas. Os locais podem ser os mais variados, como jardineiras, vasos ou qualquer recipiente que possa comportar terra.

2. Defina um espaço da casa para fazer a horta

O lugar em que você vai fazer sua horta vai determinar o sucesso da colheita. Por exemplo, os temperos, como cheiro-verde, orégano, manjericão etc., podem ser cultivados em pequenos vasinhos de plástico, que poderão ficar até na cozinha. Já para as verduras, como alface, couve, escarola etc., a varanda ou um cantinho na lavanderia será mais adequado para o crescimento das plantas.

3. Tenha cuidado com a iluminação do ambiente

Um fator muito importante no local escolhido é a iluminação, as plantinhas precisam de muita luz. Se você dispõe de uma área aberta que proporcione maior contato com a luz solar, melhor. Caso contrário, é possível fazer uma horta móvel, que busque uma fresta iluminada a cada hora do dia. O importante é ter a luminosidade que, ao entrar, vai suprir a necessidade do contato com o sol.

4. Utilize adubos naturais para fazer uma horta orgânica

Um dos fatores mais importantes e que vão deixar sua horta cheia de vida e produzindo com força é o tipo de terra que você vai usar. Há alguns produtos no mercado que ajudam nessa empreitada, porém, se você quiser preparar a terra, aqui vão as dicas.

A receita é simples, os ingredientes principais são: esterco de vaca, casca de ovos e húmus de minhoca. O preparo é feito moendo-se a casca dos ovos e misturando tudo muito bem ao esterco e ao húmus. Feito isso, é só misturar à terra e pronto, a vitamina de sua horta está pronta.

Fazer uma horta em casa e ter uma vida mais saudável não é difícil, mas requer mão de obra assídua, já que, durante o crescimento, os temperos e verduras precisarão de atenção e cuidados. Por isso, há profissionais que têm como ofício o cuidado, o zelo e o carinho com o verde. São especialistas no que fazem, desde uma horta caseira até paisagismos incríveis que vão deixar o ambiente em sua casa agradável e natural, sem falar da beleza viva que transmite uma área cuidada por um bom paisagista.

Achou bacanas essas dicas para fazer uma horta em casa? Quer fazer de sua casa um ambiente agradável e convidativo com a beleza do paisagismo? Siga-nos nas redes sociais e veja também como jardins internos e externos podem valorizar o ambiente

Confira 5 dicas de como cuidar do jardim

Quem é que não gosta de apreciar um belo jardim, não é mesmo? Ter uma área em casa especialmente reservada para o verde e o cultivo de plantas diversas é o sonho de muita gente. No entanto, para que tudo dê certo, não basta que tenhamos um bom espaço: saber como cuidar do jardim de maneira adequada é fundamental para que ele se mantenha sempre bonito e vistoso.

Diante disso, a primeira providência a ser tomada é contratar um bom paisagista para a elaboração de um projeto que aproveitará ao máximo a área reservada para o jardim. Ele avaliará o espaço e determinará o que deve ser feito — considerando o clima, o solo e, até mesmo, a fauna do local.

A princípio, analisará o terreno para saber os tipos de plantas e flores mais adequados, bem como se pode haver variedade de espécies. Vai avaliar também a luminosidade natural que incide sobre o lugar, entre outros parâmetros essenciais para que as plantas se mantenham sempre bonitas.

Após isso, você mesmo poderá manter esse espaço com algumas ótimas dicas de como cuidar do jardim que daremos a seguir. Acompanhe!

1. Mantenha a área do jardim limpa

Se seu objetivo é ter um jardim constantemente bonito, a dica é mantê-lo sempre limpo. Sujeira pelo chão, como galhos, folhas, entre outros detritos, acaba interferindo na beleza do espaço. Sendo assim, a dica é manter uma rotina de limpeza, que ficará a seu critério.

Dependendo do volume de lixo que o local consegue juntar, essa limpeza pode ser feita diariamente ou semanalmente, conforme a necessidade. No entanto, é importante que a tarefa seja feita rotineiramente. Esse hábito, além de melhorar esteticamente o espaço, contribui para manter os insetos longe e conservar os canteiros mais arejados.

2. Corte a grama com regularidade

A grama muito alta deve ser evitada, visto que confere um aspecto de desleixo ao espaço — comprometendo a estética do jardim. O ideal é mantê-la em um tamanho no qual seja possível captar a luz solar necessária para, assim, ela criar raízes fortes. A orientação é de que nunca seja cortado mais de 1/3 da sua altura.

3. Pode as árvores

Algumas árvores requerem podas regulares, outras são podadas com objetivo estético, especificamente para embelezar o jardim. No caso das frutíferas, elas precisam ser podadas para se manterem fortes e saudáveis. Nesse sentido, a ajuda de um profissional é importante, já que deverão ser retirados alguns galhos e ramos mortos, e é fundamental que a pessoa saiba o que está fazendo.

4. Apare as cercas vivas e saiba como cuidar do jardim

Se seu jardim contém cercas vivas, não se esqueça de mantê-las sempre aparadas, contando com o serviço de um jardineiro. O formato, bem como a espécie da planta, variam muito, podendo ser de acordo com a preferência do morador. Esse procedimento periódico vai garantir harmonia e beleza ao seu jardim, visto que elas produzem um excelente efeito paisagístico. Ao mesmo tempo que delimitam, embelezam qualquer espaço.

5. Faça a aeração do solo

Especialistas em jardinagem são sempre enfáticos ao afirmar a importância de aerar o solo, pelo menos, duas vezes por ano. Dessa forma, é bom sempre contar com um jardineiro de sua confiança para fazer o serviço — que envolve a técnica de descompactar o solo e o substrato para que as espécies se desenvolvam e cresçam sem nenhum problema.

E então, o que achou dessas sugestões sobre como cuidar do jardim da sua casa? Saiba que, adotando esses cuidados, sua área ajardinada ficará perfeita. Aproveite e compartilhe este post nas suas redes sociais, ajudando seus amigos a também cuidarem devidamente de seus jardins.

Decoração para área externa: 4 dicas para deixar o espaço acolhedor

Um lar confortável, bonito e pronto para receber amigos e familiares precisa de um bom projeto de decoração para área externa da casa, concorda? Por ser cada vez mais integrado aos ambientes internos, esse ambiente tem sido considerado como um prolongamento da residência. Espaços ao ar livre bem cuidados podem auxiliar até na melhoria da qualidade de vida.

Pensando nisso, neste artigo, listamos 4 dicas essenciais para você deixar sua área externa aconchegante e funcional. Continue a leitura e confira!

1. Considere o espaço e as funções da sua área externa

Independentemente de estar concentrado em apenas um local ou dividido entre a frente, a lateral e os fundos da casa, você pode usar a decoração para separar seu espaço externo em ambientes distintos ou integrá-los, de acordo com suas necessidades.

Varanda gourmet

Ambiente com churrasqueira, forno e/ou fogão para preparar alimentos e receber convidados. Precisa de espaço de armazenamento para utensílios de cozinha e móveis de apoio para refeições.

Área com piscina

Exige peças com materiais impermeáveis e espaço tanto para tomar sol quanto para ficar sob a sombra. É bom tomar cuidado na escolha do piso (que deve ser antiderrapante) e evitar mesas com tampos de vidro.

Sala de estar ampliada

Perfeita para aproveitar os momentos de descanso em casa, ler ou receber amigos. Pede sofás e poltronas, almofadas, redes, cadeiras de balanço etc. Mesinhas de apoio e aparadores também são bem-vindos.

Jardim planejado

Ótima maneira de manter contato com a natureza nas cidades grandes. É projetado e executado por um paisagista e pode incluir hortas que incentivem uma alimentação mais saudável, plantas que amenizem climas quentes e melhorem a umidade do ar, e design impactante que valorize a residência.

2. Escolha um estilo de decoração para área externa

É importante que a ornamentação desse espaço dialogue com o restante da casa, seja repetindo o tom decorativo já existente, seja inserindo elementos diferentes que complementam ou contrastam de maneira harmônica. Algumas tendências que podem ser aplicadas para oferecer um clima aconchegante são, entre outras, decoração tropical, rústica, country, shabby chic, vintage, romântica e boho.

3. Opte por móveis bonitos, confortáveis e resistentes

A mobília da área externa — principalmente a dos espaços descobertos — precisa ser adequada para suportar incidência de chuva e sol. Peças de plástico, por exemplo, precisam ser trocadas periodicamente, pois ressecam, desbotam e quebram com facilidade.

Os materiais de base e acabamento mais indicados são aço inox, alumínio, fibra sintética, madeira (com proteção apropriada) e revestimentos de tecido italiano, sling ou fita náutica.

4. Capriche nos detalhes para uma decoração perfeita

Alguns pontos podem fazer toda a diferença no resultado da ornamentação de sua área externa.

Enfeites

Quadros, cortinas, almofadas, futtons, conjuntos de vasos, esculturas, velas e lanternas decorativas são alguns itens que podem complementar e dar mais originalidade à decoração.

Plantas

O jardim projetado por profissionais de arquitetura da paisagem pode se estender pela varanda e pelas janelas da residência em vasos suspensos e jardineiras com plantas ornamentais, suculentas e flores.

Iluminação

Use arandelas, balizadores, refletores, postes decorativos, luminárias tartaruga e o que mais valorizar sua decoração e paisagismo. Prefira as lâmpadas com emissão de luz amarelada para garantir conforto visual e aconchego.

A decoração para área externa traz personalidade à residência, oferecendo mais ambientes de confraternização e lazer — o que melhora a qualidade de vida dos moradores e valoriza a casa como um todo.

Gostou das nossas dicas? Deixe um comentário contando pra gente como é a sua área externa e o que falta para ela ficar perfeita para sua família!

Como melhorar o conforto térmico em casa

Na maior parte do Brasil, temperaturas acima dos 20º C predominam o ano todo. Por isso, contar com estratégias que garantam conforto térmico em casa é imprescindível — especialmente em regiões mais secas, como o Centro-Oeste.

E quanto mais ecológicas essas soluções, melhor! Afinal, valer-se de ventilação e iluminação naturais e trazer mais natureza para a casa são ótimas formas de garantir bem-estar, sem precisar recorrer a aparelhos que gastam energia e, muitas vezes, prejudicam a saúde respiratória.

Quer conhecer táticas de arquitetura e paisagismo que deixam sua casa naturalmente bem climatizada? Continue a leitura e confira algumas ideias imperdíveis!

Aposte em ventilação e iluminação naturais

O ar precisa ser constantemente renovado, por isso uma boa circulação é necessária. Abrir janelas e portas é o mínimo a ser feito e, de preferência, elas devem ser planejadas para produzir ventilação cruzada — ou seja, devem estar localizadas em sentidos opostos.

Ambientes com pé direito alto favorecem a ventilação, e ter entradas de ar próximas ao chão é uma boa ideia para refrescar o local, visto que o ar frio é mais denso e vem por baixo. Em casas elevadas por meio de pilotis ou sapatas, o ar fresco circula abaixo e isso diminui a absorção de calor.

Para garantir ambientes sempre bem iluminados, vale a pena projetar portas e janelas para o norte, pois nessa direção há mais incidência solar no inverno (o que ajuda a esquentar) e menos no verão (o que ajuda a resfriar).

Potencialize o contato com a natureza

Os elementos naturais são essenciais para manter o equilíbrio climático. Além de ar e luz, terra e água devem compor os ambientes. Para isso, o melhor é investir em jardins e plantas, tanto nas áreas externas quanto internas.

Os jardins verticais, além de serem usados em grandes espaços, também são boas soluções para pequenas áreas. Usá-los na cozinha tem feito sucesso, na medida em que embelezam o ambiente e são úteis para o cultivo de ervas culinárias. Jardins em lages também estão com tudo: ao mesmo tempo que aproveitam uma área espaçosa, ajudam a amenizar a incidência solar no teto.

Em residências com boa área de varanda, podem ser usados gramados, flores e até árvores de grande porte. Espalhar vasos pelos cômodos também ajuda a refrescar os ambientes.

O ar fica ainda mais fresco se a casa tiver fontes ou aquários — mas é importante que a água circule, pois parada atrai insetos que propagam doenças.

Uma forma menos óbvia, mas válida, de aproximar-se da natureza é dar preferência a tecidos vegetais em estofados, tapeçaria, cortinas etc. Por isso, invista em fibras de algodão ou de linho, por exemplo.

Considere soluções paisagísticas

Como visto, ter natureza em casa é uma grande estratégia para manter o conforto térmico. Contudo, existem soluções que só o paisagismo feito por profissionais consegue trazer, como:

  • uso de plantas trepadeiras em paredes ou estruturas externas;

  • colocação de árvores de médio ou grande porte para amenizar a incidência solar perto de portas e janelas;

  • criação de espelhos de água, tanto externa como internamente.

A ajuda de especialistas é fundamental na hora de projetar o paisagismo, afinal a expertise de arquitetos e paisagistas contribui para uma escolha mais apropriada dos pontos decorativos, para uma potencial reestruturação da casa e para eleger as plantas adequadas.

Use plantas purificadoras

Como as plantas são excelentes aliadas do conforto térmico, vale a pena investir naquelas que, além de trazerem frescor, também são purificadoras. Confira 5 delas que podem facilmente ser encontradas:

  • areca-bambu — absorve compostos voláteis prejudiciais e “alertam” para baixa umidade se suas pontas ganham tons marrons;

  • espada de São Jorge — absorve toxinas sintéticas, exige pouca manutenção e adapta-se a qualquer clima;

  • gérbera — com flores laranjas, amarelas ou rosadas, absorve gás carbônico e remove o benzeno (causador de câncer) do ar;

  • hera inglesa — tipo trepadeira, é a melhor planta purificadora e adequa-se a variações climáticas;

  • samambaia — remove toxinas e mantém o ar umidificado.

Com essas soluções, sua casa vai ter conforto térmico durante todo o ano, além de ficar linda e aconchegante. Quer acompanhar mais dicas sobre paisagismo e qualidade de vida? Então siga nossas páginas no Facebook e no Instagram!

Flores para casa: 4 dicas para deixar o ambiente mais bonito

Flores perfumam, colorem e deixam qualquer ambiente mais bonito e alegre. Por isso, tê-las em casa é incrivelmente agradável — principalmente em lugares onde o clima é seco e árido, assim conferindo umidade e frescor ao ambiente.

Mas você sabe como escolher flores para casa, posicioná-las e cuidá-las? Confira, neste post, algumas dicas para decorar seus cômodos com as mais variadas espécies:

1. Defina o espaço

A primeira coisa a fazer na hora de decorar a casa com flores é escolher onde elas ficarão, já que o espaço e a luminosidade influenciam no tipo de flor que você deve comprar. Algumas necessitam mais de sol do que outras, por exemplo, então observe os horários de sol nos ambientes escolhidos e quais os tamanhos e formatos de vasos que melhor se adequam ao espaço.

Alguns pontos são mais usuais para deixar a casa mais bonita: mesas de jantar, mesas laterais, aparadores, varandas, parapeitos da janela, criados-mudos do quarto e pias de banheiro. Neste último caso, escolha espécies que gostem de umidade, como antúrios e begônias.

2. Escolha as flores para casa

Agora que você já definiu onde as flores vão ficar, escolha as que melhor se adaptam ao local. Nesta hora, vale pesquisar e pedir ajuda aos vendedores. Em geral, as espécies que mais se adaptam aos ambientes internos são aquelas que não precisam de luz solar direta. Veja algumas opções:

Orquídea

Quem não gosta de orquídeas, não é? Com uma grande variedade de espécies e cores, elas são bastante ornamentais e ficam lindas em qualquer casa.

Entretanto, essa espécie exige alguns cuidados especiais. Deve-se, por exemplo, evitar regar demais: duas a três vezes por semana é o suficiente. Além disso, não deixe o vaso em local escuro (pois isso também vai escurecer as folhas) ou direto no sol. Opte por um ambiente que tenha boa luminosidade e que pegue o sol da manhã.

Lírio-da-paz

É uma flor que se adapta bem dentro de casa e tem a propriedade de purificar o ar. Em um cômodo quente, ela deve ficar próxima à janela, recebendo luz indireta do sol. As janelas viradas para o oeste ou norte são as mais indicadas. Tente não expô-la demais ao ar frio e excesso de sol para que as folhas não enruguem e escureçam.

Begônia

As begônias são bastante coloridas e também se desenvolvem bem sem o sol direto e em temperaturas de 20 a 28 graus. Porém, não suportam mudanças bruscas de clima e nem excesso de água. Evite deixá-las em ambientes com ar-condicionado e sem luminosidade. 

Azaleia

De fácil cultivo e com muitas variações de cores, a azaleia é uma das melhores opções para dentro de casa. Porém, elas gostam de luz e sol por pelo menos quatro horas por dia, então coloque-as em varandas e próximas às janelas (sem que peguem vento, no entanto). Não necessita de muita água e, por isso, se dá bem com o clima seco.

3. Utilize a cor das paredes como elemento de contraste

Escolha flores de cores vibrantes e que contrastem com a cor das paredes. Se as paredes são escuras, prefira flores claras, como os clássicos lírios brancos. Se forem claras, escolha flores de tom mais escuro, como gérberas ou rosas vermelhas.

Os arranjos podem ser variados, tanto na espécie quanto nas cores. Se você quer algo mais durável, evitando trocar as flores toda semana, prefira tê-las plantadas na terra, em vasos ou cachepôs.

4. Não descuide dos vasos

Para que a decoração com flores fique bonita, os vasos também são importantes. Escolha modelos bonitos e que combinem com as espécies de flores em relação ao diâmetro e comprimento. Em espaços amplos, opte por vasos grandes e imponentes e utilize flores com caules mais compridos. Em ambientes menores, prefira os mais delicados.

Sobre as cores, tente contrastar com as flores. Se você possui habilidades manuais, pode decorar potes de vidro, garrafas e vasos simples com lã, cordas, juta ou outro material natural que dá um ar diferente e rústico ao objeto.

Gostou das nossas dicas de como escolher flores para casa e deixar sua decoração ainda mais bonita? Então curta a nossa página no Facebook para ficar sempre por dentro das dicas e novidades!

O que você precisa saber para escolher um paisagista

Se tem uma coisa que revistas, filmes, propagandas e programas de televisão nos ensinaram é que não há nada mais bonito do que um belo jardim, cheio das mais variadas plantas, decoração impecável e cores agradáveis. E essa visão lúdica e aprazível de um paraíso particular pode ser criada por um paisagista.

Uma das grandes tendências na arquitetura e na decoração é a busca por meios de se aproximar da natureza. Por isso, profissionais como os paisagistas têm sido cada dia mais requisitados. São eles que criam, planejam e executam os sonhos estéticos de quem deseja ter um belo jardim.

Não por acaso, paisagistas são considerados artistas talentosos, capazes de projetar ambientes repletos de harmonia, cores, texturas, formas e beleza. Acompanhe este post, entenda um pouco mais sobre a profissão e aprenda como escolher um bom profissional!

Quem é o paisagista?

É o profissional treinado para fazer das plantas as grandes estrelas em um ambiente ou uma decoração. É a pessoa que, além disso, consegue integrar elementos complementares à paisagem criada, como pisos, caminhos, fontes, piscinas, acessos, áreas de lazer, entre outros.

E o paisagismo, apesar de ter ganhado o gosto popular recentemente, é secular. No Brasil, ele chegou junto com a família real. Dom Pedro II foi quem solicitou e financiou projetos como dos parques de Campo de Santana, São Cristóvão e São Clemente no Rio de Janeiro.

Referência da profissão, Roberto Burle Marx encantou o mundo com a inovação de suas obras. Paisagista autodidata, ele uniu em seus projetos outros talentos como os de artista plástico, pintor, designer, arquiteto e tapeceiro. Isso lhe rendeu parcerias com arquitetos como Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.

O que ele faz?

Muitos o chamam de artista da natureza, uma alcunha delicada e gentil, já que é o paisagista quem assume a responsabilidade de projetar lugares destinados à diversão e bem-estar como praças, parques, espaços públicos, áreas verdes de empresas, jardins de casas, locais recreativos de condomínio, entre outros.

Entre suas funções está a defesa da ecologia, os cuidados com o meio ambiente e projetos de restauração e preservação já que é exigido dele conhecimentos técnicos de arquitetura, agronomia, botânica e engenharia florestal. 

É uma profissão regulamentada?

Apesar da polêmica sobre esse assunto, já que a Organização Internacional do Trabalho reconhece o paisagismo como profissão independente, a maior preocupação é a de criar órgãos reguladores e fiscalizadores que garantam a qualidade do profissional. 

Hoje, os profissionais paisagistas são apoiados pela Associação Nacional de Paisagismo, fundada em 1995. Apesar de não haver uma formação acadêmica específica para paisagista, existem incontáveis cursos e especializações na área.

Há uma grande luta pela regulamentação e consequente valorização da profissão. Isso possibilitaria uma concorrência mais leal entre os profissionais e um fortalecimento da categoria. 

O fascínio por essa profissão tão criativa tem crescido cada dia mais já que o paisagista não deixa apenas a paisagem bela… deixa o ambiente mais agradável, o ar renovado e o espaço vivo. Quer saber mais sobre o assunto? Curta nossa página no Facebook e não perca nadinha! Aproveite para conhecer nosso site e nos seguir no Instagram!