Categoria

Dicas verdes

Categoria

5 dicas incríveis para cuidar bem de um jardim pequeno

Um jardim pequeno, sem dúvida, pode dar um ar todo especial para a sua casa. Sabe aquele cantinho, interno ou externo, que você não sabe o que fazer? Está esperando por um jardim que seja projetado com criatividade e estilo. Monte um espaço cheio de inspiração para ler, escrever ou, até mesmo, contemplar.

A escolha das espécies, vasos e móveis são decisões que podem fazer desse local, um lugar aconchegante. Pense sempre que um jardim pequeno pode ser simples, mas com muito charme. Um paisagista pode ajudar nessa hora. É pela composição da área que nascerá um belo jardim. Mas, depois de pronto, é imprescindível cuidar para manter a beleza. 

Neste post, daremos 5 dicas para você cuidar bem de seu jardim pequeno e ainda torná-lo um ambiente incrível. Confira!

1. Faça as podas necessárias

Podar as plantas de seu jardim pode ser a atitude certa para mantê-las bonitas e proporcionar um crescimento de forma saudável. A poda, de maneira geral, é realizada pelo talo, mas busque uma orientação especializada sobre qual a melhor forma de fazer a poda das espécies que você tem. 

Assim, você poderá agir da forma mais adequada com as plantas, sabendo a periodicidade com que a poda deve ser realizada, em qual época deve ser evitada essa ação ou, até mesmo, se é preciso apenas aparar. Quanto mais informação tiver, melhor é o cuidado de seu jardim.

2. Aproveite de forma correta a luz do sol

Algumas plantas precisam de mais luz do sol do que outras. Então é importante pensar na exposição. Por essa razão, não esqueça de avaliar as condições de seu espaço em todos os sentidos, inclusive, quanto à recepção de luz solar. A partir dessa avaliação, uma adequação das espécies poderá ser feita, favorecendo a localização das plantas de acordo com as necessidades de cada uma.

3. Adube as plantas do jardim pequeno 

Não adianta querer o jardim que está na revista mais famosa da área se ele não tem todo o cuidado necessário. Vale a pena investir em criar um espaço que traduza também seu jeito de ser, por isso cuide muito bem desse local. Não esqueça que, após a escolha da terra, que deve ser de qualidade, a adubação é essencial.

4. Limpe as pedras também

Agora é hora de trabalhar a criatividade. Você já deve ter notado que as pedras também são elementos que compõem os jardins pequenos. Elas são ótimas, além de trazer uma atmosfera diferenciada ao local. É possível usá-las para fazer pequenos caminhos ou como peças decorativas. E não esqueça da limpeza das pedras.

5. Use os vasos de forma harmônica

Se você tem um projeto paisagístico para um jardim pequeno, certamente as espécies e elementos estão adequados ao espaço. Não vale colocar um vaso que não condiz com o lugar e a proposta do projeto. Pense em compor a área de uma maneira que fique harmônica.

Os vasos podem ser elementos de composições incríveis em jardins pequenos. Peças que realmente dão aquele toque personalizado. Às vezes, a escolha da melhor disposição é uma estratégia para dar aquele charme ou oferecer mais cuidado às plantas. Os vasos podem ficar suspensos em treliças ou no chão, por exemplo.

Um jardim pequeno ou grande precisa de cuidado. Não é apenas uma área que se cria e deixa para lá. É preciso manutenção e paciência. Além disso, essa atitude de cuidado pode fazer muito bem a você, dando um alívio no cansaço em dias agitados. Transforme esse espaço naquele lugar que vai fazer diferença em sua vida.

Já está pensando em seu jardim pequeno com essas dicas? Aproveite para ler também como as flores podem deixar o ambiente de sua casa muito mais bonito!

Estilos de jardins: conheça os principais e suas características

Os povos antigos não abriam mão de ter um espaço que possibilitasse o contato direto do homem com a natureza. E eles tinham razão. Ter um jardim é abraçar a natureza todos os dias. Por meio da contemplação, o jardim proporciona paz, harmonia e bem-estar, além de qualidade de vida.

Sem falar que, se você tiver pouco espaço, o jardim vertical é o ideal para esse abraço, mas há muitos outros. Um jardim valoriza e refresca o lugar porque funciona como umidificador natural do ambiente. Além disso, sua casa vai estar sempre atualizada quanto às questões estéticas e de decoração.

Os estilos de jardins dão o tom do lugar, proporcionando até regalias como uma alimentação mais saudável, no caso de ter a própria horta em casa, já pensou nisso? Por outro lado, que mulher não quer olhar para a própria casa e ver a sua cara nela? Um espaço agradável para receber os amigos e até reservar aqueles momentos de reflexão. 

Há uma lista enorme de estilos de jardins, um mais lindo que o outro. Aqui trazemos alguns para que você escolha o seu. Se você andava procurando algo para dar aquele tchan na decoração, sua busca acabou: faça um jardim na sua casa! Veja aqui estilos de jardins fantásticos. Sua personalidade vai fazer com que você encontre o seu e deixe a sua casa com uma vista impactante.  

Jardim clássico

Cuidadosamente desenhado, esse estilo é a retidão propriamente dita. Baseado em formas geométricas, parece que foi feito com traçados de compasso e régua. As flores ficam em segundo plano. Em primeiro estão as sebes, muito bem aparadas. As topiarias impecavelmente arredondadas figuram entre fontes e esculturas.

Jardim inglês

Diferentemente do clássico, aqui o que não se vê é simetria. É um jardim meio “bagunçado”, onde a principal característica é o extenso gramado. Arbustos, árvores e flores, sobretudo roseiras, compõem esse estilo meio romântico. As flores, naturais de ambientes frios, podem ser substituídas por margaridas, violetas, jasmins e uma infinidade de outras bem coloridas.

Jardim tropical

Como o próprio nome diz, é o estilo que lembra nossa vegetação amazônica. As plantas são gigantes, as muitas folhagens e flores lembram uma ilha paradisíaca tropical. Geralmente fica num espaço sombreado, o qual é ainda mais valorizado com uma lâmina d’água ou uma cascata.

Jardim árido ou desértico  

É o mais rústico dos jardins. É também o mais econômico em questão de rega e acessórios. Ideal para varandas e jardins de inverno. Ele conta com vegetação que lembra a caatinga brasileira. São as xerófitas, plantas que armazenam água: cactos, babosa, leguminosas e outras. O solo deve ser de pedriscos e areia para facilitar a drenagem da água. 

Jardim japonês ou oriental

É o estilo de jardim para quem não quer só beleza, flores e vegetação, mas também meditação. Esse é o mais filosófico entre os estilos de jardim. Um lugar onde as espécies têm seu valor reconhecido, pois estão sempre em destaque. Há alguns elementos que não podem faltar em um jardim como esse. Em um terreno com ondulações leves, os seixos desgastados são distribuídos em número ímpar, como manda a tradição.

A água está presente por meio de riachos, cascatas ou lagos. O bambu é a planta principal entre azaleias, camélias e outras que também compõem o jardim. E para finalizar, não se esqueça das lamparinas de pedra, indispensáveis nesse estilo.

Gostou dos estilos de jardim? Encontrou o seu? Agora que você já conhece mais estilos de jardim, é só contratar profissionais especializados para fazer o jardim dos seus sonhos. Um bom exemplo é a CP Paisagismo, que auxilia seus clientes na criação e execução de projetos paisagísticos, oferece serviço de consultoria na área e, o mais importante, manutenção após o término do projeto.

É uma empresa especialista em arquitetura de paisagens em áreas externas. Entre em contato e saiba dicas e mais benefícios de ter um jardim externo ou uma área verde dentro de casa, afinal, natureza é tudo de bom.

Consultoria de paisagismo: 3 razões para você contratar agora!

Uma consultoria de paisagismo tem como principal objetivo buscar soluções de jardinagem que atendam às expectativas de seus clientes e que sejam, também, ambientalmente sustentáveis a preços justos.

Assim, contratar esse serviço vale muito a pena, não somente para deixar seu jardim bonito, mas também porque ele traz eficiência e respeito à natureza.

Pensando nisso, recomendamos a leitura deste texto para você que quer entender por que é válido contar com um paisagista.

O que é uma consultoria de paisagismo

O primeiro passo é entender que os profissionais que dão consultoria de paisagismo são especializados nisso. Dentre os serviços que oferecem, listamos abaixo os que podem ser mais úteis para você:

  • avaliação das condições climáticas do seu espaço;
  • indicação das melhores espécies de plantas para seu jardim;
  • orientação para adubar a terra e evitar pragas ou doenças;
  • instrução acerca das melhores técnicas de poda;
  • recomendações de ferramentas e outros produtos de jardinagem;
  • elaboração de relatórios técnicos para projetos paisagísticos.

Assim, antes de montar seu jardim, ou mesmo ao fazer a manutenção de um espaço já ajardinado, o ideal é recorrer a esse tipo de consultoria, especialmente se você faz questão de que esse espaço seja, além de bonito, funcional.

Como funciona a consultoria

No geral, quando você contrata uma consultoria de paisagismo, o trabalho acontece em três etapas:

  1. Visita técnica: para os profissionais conhecerem o local, ouvirem seus desejos e avaliarem as possibilidades de implementação;
  2. Relatório: que é entregue após a visita indicando quais as mudanças devem ser feitas no jardim para seu aprimoramento.
  3. Acompanhamento: os especialistas fazem visitas periódicas durante a realização do projeto para verificarem se tudo está sendo feito adequadamente.

Razões para contratar a consultoria especializada

Se você faz um jardim de forma amadora, há mais chances de falhas. Quantas vezes você tentou plantar uma muda que não vingou, ou levou uma flor para casa e ela morreu em seguida?

Você não pode correr esses riscos se deseja ter uma área verde bem cuidada em casa. Nessa hora, só mesmo a consultoria especializada consegue garantir o êxito do projeto.

Por isso, veja abaixo três razões incontestáveis para contratar o serviço de paisagismo para o seu jardim:

1. Profissionalismo e assertividade

Como já dito, gostar de plantas não é suficiente para ter um bom jardim. Os paisagistas profissionais é que saberão avaliar quais espécies sobrevivem melhor de acordo com o solo, clima, iluminação e outras características da região onde você vive.

Justamente por terem esse conhecimento, eles são capazes de montar um projeto que realmente vai funcionar, evitando retrabalhos, gastos desnecessários com materiais ou outros tipos de prejuízos.

2. Sustentabilidade e preocupação ambiental

Um dos objetivos do paisagismo urbano é integrar a natureza da forma mais natural possível aos ambientes modificados pelo homem.

Para fazer isso com excelência, o paisagista escolhe minuciosamente as plantas do jardim, levando em consideração como elas contribuem para o equilíbrio ecológico e o bem-estar de outros seres (como os insetos e, claro, os humanos).

Se você tem preocupação ambiental, montar seu jardim com apoio de uma consultoria de paisagismo é a melhor escolha. Afinal, os paisagistas são capazes de pensar em soluções sustentáveis durante a execução do projeto, como o reaproveitamento de água, a conservação de solos e a minimização de impactos ambientais.

3. Valorização do imóvel

Por fim, a vantagem de se investir no paisagismo profissional é que esse tipo de trabalho é altamente valorizado na hora de vender ou alugar um imóvel.

Se, por qualquer razão, você precisar se desfazer da sua casa, com certeza encontrará pessoas dispostas a pagar um bom valor por ela quando souberem que ela conta com um projeto paisagístico, principalmente se o trabalho tiver sido assinado por profissionais reconhecidos na área.

Como pôde ver nesse texto, ao contratar uma consultoria de paisagismo, você terá um espaço verde e permanente em casa, pensado especialmente para seu ambiente e de acordo com seus gostos.

Percebeu a importância de deixar seu jardim nas mãos de bons profissionais? Então, entre em contato com a CP Paisagismo agora mesmo e garanta um projeto de excelência!

O que é Kokedama? Descubra já como montar e ter plantas saudáveis!

Você já ouviu falar na técnica japonesa chamada Kokedama? Se não ouviu, é bom ficar atento ao assunto, porque esse arranjo está se tornando um dos queridinhos do momento entre paisagistas, decoradores, designers e todos aqueles que gostam desse universo de jardinagem.

Apesar de o nome ser um pouco incomum, sua tradução é muito simples e quer dizer, literalmente, “bola de musgo”. Ficou curioso para saber como uma bola de musgo pode embelezar, valorizar e ainda trazer um toque de descontração para o seu lar?

Então continue a leitura e descubra, ainda, quais os materiais necessários para você montar o seu próprio Kokedama. 

O que é um Kokedama, afinal?

O Kokedama é uma técnica japonesa de arranjo ornamental, sendo uma versão mais simplificada do famoso Bonsai. Imagine cultivar uma planta dentro de um musgo sem qualquer tipo de vasos ou jardineiras e ainda poder pendurá-la? Pois é! Por isso ele se diferencia tanto das outras técnicas de plantio e tem feito a cabeça de muita gente por aí.

Basicamente, ele consiste na criação de plantas dentro de um globo compacto feito com musgo, areia e argila. Esse ornamento costuma ser suspenso por fios de nylon, arame, lã ou barbante, o que dá a sensação de que ele está flutuando no ar. Contudo, algumas pessoas ainda preferem apoiá-lo em pratos ou suportes decorativos. 

Como utilizá-lo na decoração? 

Todos sabemos que as plantas são excelentes opções para enfeitar os ambientes e trazer sensação de acolhimento, e com o Kokedama não é diferente. 

Para aqueles que preferem os arranjos suspensos com os string gardens (os fios mencionados acima), o mais indicado é colocá-los em um canto com bastante iluminação e pendurá-los em diferentes alturas, o que dará a ideia de movimento e profundidade. 

Caso você prefira o seu Kokedama apoiado, invista em terrários ou mini jardins em superfícies transparentes, como vidro, acrílicos, espelhos, etc. Esse arranjo também funciona bastante como centro de mesa ou em criados-mudos. 

Como fazer um Kokedama?

Se você é adepto da cultura do it yourself (faça você mesmo), e gosta de colocar a mão na massa, então confira a seguir um passo a passo de como montar a sua própria bola de musgo. 

Materiais

Você vai precisar de:

  • muda de planta (as mais indicadas são as espécies costela-de-adão, clorofito e asplênio);
  • musgo verde e musgo de folha;
  • areia;
  • argila;
  • fio de nylon, barbante ou qualquer outro fio de sua escolha.

Modo de fazer

  1. misture a areia, a argila e o musgo de folha com um pouco de água até formar uma bolinha moldável; 
  2. faça um buraco com o polegar no meio dessa bolinha e coloque a planta;
  3. cubra toda a esfera com o musgo verde fazendo uma leve pressão para fixá-lo;
  4. enrole a esfera com o fio de nylon ou cordel de linha como se fosse um novelo de lã e depois dê um nó;
  5.  acrescente um pedaço de fio para pendurar o arranjo (caso você queira que ele fique suspenso).

Pronto! Viu só como é simples ter um Kokedama para chamar de seu?

Como cuidar?

Alguns cuidados são necessários para que seu arranjo se mantenha sempre saudável. Para a rega, aconselha-se, de 15 em 15 dias, mergulhar a bola de musgo por alguns segundos em um pote com água. Além disso, a cada três meses, é preciso fazer a manutenção da adubação e podar as folhas secas.

Gostou do nosso conteúdo? Então, aproveite para ler este outro artigo e conferir também dicas de como utilizar as flores para deixar a sua casa ainda mais bonita!

 

Descubra como transformar a sua cobertura em um jardim incrível

Foi-se o tempo em que morar em apartamento tinha a “desvantagem” de não ter jardim. Os profissionais de paisagismo têm encontrado soluções cada vez mais criativas para trazer a vegetação aos edifícios residenciais e comerciais. Uma delas é criar um jardim na cobertura.

Se você vive em um apartamento e tem a sorte de possuir uma área externa, saiba que transformá-la em um jardim é uma excelente forma de aproveitar o espaço e trazer mais verde — e mais qualidade de vida — para sua casa. Quer entender como sua cobertura pode virar um jardim? Então continue a leitura!

Quando transformar a cobertura em jardim

Antes de começar a plantar na sua cobertura, o ideal é analisar se o local tem capacidade para isso. Não basta simplesmente contar com o espaço para montar o jardim, é necessário saber se a estrutura aguenta. 

A ajuda de um arquiteto paisagista será essencial nesse momento. Ele saberá dizer, por exemplo, o quanto de peso sua cobertura suporta, informação que é decisiva para definir o projeto paisagístico e seus elementos (como as plantas e materiais que poderão ser usados no design da área).

Esse especialista ajuda, também, a prever a necessidade de obra e orienta a melhor forma de fazê-la para não abalar a estrutura do imóvel. Além do mais, desenha a decoração do espaço, escolhe as plantas mais adequadas ao clima local e pensa em soluções técnicas, como um sistema para escoamento da água.

Após confirmado que o espaço pode virar jardim, e com um projeto profissional elaborado, você poderá partir para a execução.

Materiais fundamentais para um jardim na cobertura

Transformar a cobertura em jardim é uma tendência crescente no mundo. Em alguns edifícios, inclusive, criam-se os chamados “telhados verdes”, nos quais um gramado é usado como superfície da área jardinada. Outra opção é fazer o piso com terra, cascalhos ou pedras.

Essas superfícies feitas com materiais naturais têm a vantagem de reter água, o que diminui a necessidade de rega das plantas. Mas a terra não pode, simplesmente, ser colocada no chão: se sua ideia é valer-se desse artifício, é preciso comprar uma manta geodrenante para compor a primeira camada do solo.

Quem preferir, pode usar vasos, jardineiras ou canteiros para plantar, deixando o piso intacto. Preferencialmente, esses recipientes devem ser feitos de concreto ou fibra de vidro para resistirem ao sol, ao vento e às chuvas.

Se sua ideia é aproveitar as paredes e montar um jardim vertical em vez de usar o chão como base, podem ser aplicados painéis de madeira ou de ferro, especialmente se tiverem espaços vazados, nos quais dê para apoiar vasos.

Além dos materiais de jardim, não se esqueça dos móveis. Um bom banco ou cadeiras confortáveis são indispensáveis, visto que as pessoas vão aproveitar essa área para ler um livro, escutar música ou tomar sol. 

O que observar na hora de escolher suas plantas

Um jardim na cobertura precisa ser resistente ao clima local. É por isso que o ideal é valer-se de plantas de baixa manutenção. A vegetação nativa da região onde você vive é boa opção, por já estar adaptada ao clima e resistir melhor às intempéries ambientais.

A escolha das plantas precisa ser pensada, também, considerando quem vai desfrutar do ambiente. Se você tem animais ou crianças em casa, é preciso tomar bastante cuidado com plantas com espinho ou que possam ser venenosas.

Um profissional paisagista é a melhor pessoa com quem conversar sobre sua ideia de jardim na cobertura, pois, como já dito, além de ajudar a elaborar o projeto ideal para seu espaço, ele saberá escolher as plantas mais adequadas para garantir um design elegante e funcional para o seu ambiente.

Se você está em Brasília ou Belo Horizonte e precisa de um projeto de paisagismo profissional, entre em contato conosco! Deixe sua mensagem no formulário do nosso site ou ligue para (31) 3643-4375 / (61) 3207-0814.

Iluminação de jardim: qual a importância e como fazê-la corretamente

Pensar na iluminação de jardim é fundamental para ter um espaço bonito tanto durante o dia quanto à noite. Esse cuidado exige bastante planejamento, para que as instalações elétricas estejam apropriadas.

Quer saber por que e como iluminar seu jardim? Este post é para você! Continue a leitura e confira.

Por que iluminar o jardim?

Além da função básica da iluminação artificial, que é permitir o uso da área durante a noite, o jardim fica muito mais elegante e luxuoso quando tem a iluminação adequada.

Assim, é possível destacar plantas, dar um ar aconchegante e tornar a área mais segura  tanto contra invasores quanto para evitar acidentes (tropeçar e cair por não enxergar bem o chão, por exemplo).

Quais são os tipos de iluminação de jardim?

Para iluminar o caminho, geralmente são utilizados plafons de LED embutidos no chão. Se a iluminação for na altura dos olhos, podem-se usar luminárias em formatos criativos, que também têm função decorativa.

Já para realçar as plantas, costuma-se optar pelo refletor de LED, posicionado no chão. A luz pode ser neutra, azulada, amarelada ou colorida. A luz colorida verde, por exemplo, é ótima para destacar a cor dos vegetais.

Também é muito utilizada a luz branca amarelada, que dá um ar mais aconchegante ao jardim. Se for posicionada corretamente, também serve para destacar as plantas.

Para quem quer usar luz colorida, as lâmpadas halógenas têm ótima aparência. Apesar disso, devem ser mantidas longe dos vegetais, pois esquentam muito e podem queimá-los.

Como escolher a iluminação adequada?

É preciso levar em conta seu estilo pessoal e sua disponibilidade para reformas. Isso porque algumas estruturas de iluminação precisam ser instaladas por dentro das paredes e do chão.

Outro ponto importante é a intensidade: para iluminação aconchegante, prefira utilizar vários pontos de luz fracos em vez de um forte. Se optar por refletores, considere usar sensor de presença: além de espantar invasores, são mais econômicos, pois só são ativados quando há alguém no jardim.

Além do LED, outra tecnologia vantajosa de iluminação é a fibra ótica. Ambas não esquentam, não atraem insetos e são seguras em relação a choques elétricos.

É preciso contar com ajuda profissional?

A não ser que o projeto de iluminação de jardim seja muito simples, é melhor contratar um paisagista. Ele pode transformar seus gostos pessoais em um projeto profissional, sofisticado e seguro.

Todos os aspectos serão definidos em conjunto: se a preferência é por iluminação geral, com refletores na parede ou focal, no estilo backlight, que deixa a maior parte da área escura, com pontos de destaque.

O paisagista calcula a distância entre os focos de luz, define qual cor e intensidade deve ser utilizadas em cada situação e ainda supervisiona as instalações mais complexas.

E se você ainda não tem um jardim, esse profissional determina quais as melhores espécies de plantas para sua casa. Contratar um paisagista, então, é sempre um investimento em bem-estar, pois, depois de pronto, o local será muito relaxante e perfeito para confraternizações em família.

Gostou dessas dicas sobre iluminação de jardim? Que tal curtir nossa página no Facebook e ficar sempre por dentro das novidades? Esperamos você por lá!

Conheça as principais 6 plantas tóxicas para animais domésticos

Se você gosta de plantas e tem um bichinho em casa, já sabe que é preciso redobrar os cuidados, pois há várias plantas tóxicas para animais. Elas podem causar mal-estar, vômitos e até a morte do seu pet.

Por isso, preparamos este post para que você conheça algumas delas. Assim, você poderá evita-las ou colocá-las em lugares altos da casa. Confira!

1. Copo de leite

O copo de leite é uma flor muito bonita, mas perigosa para os animais domésticos. Ela contém oxalato de cálcio, que causa irritação das mucosas e edema da glote.

Se o seu bichinho ingerir essa planta, não force o vômito e leve-o para o veterinário. A orientação é só dar água para beber se ele estiver babando.

2. Antúrio

O antúrio é uma planta ornamental muito comum nos lares brasileiros, mas todas as suas partes contêm a mesma substancia tóxica que o copo de leite.

Além da irritação, esse veneno, no antúrio, também causa náuseas e asfixia. Em caso de ingestão, é preciso levar seu animal ao veterinário imediatamente, e se possível levar uma amostra da planta que foi ingerida.

3. Avenca

A avenca é bastante popular por ser fácil de cuidar. Sua ingestão não causa danos imediatos aos animais, mas os brotos são cancerígenos para eles. Ao contrário de outras plantas tóxicas para animais, é difícil saber imediatamente se ela foi ingerida.

Por isso, se você gosta dessa planta e tem um animal de estimação em casa, é preciso deixá-la pendurada em locais muito altos ou em cômodos a que eles não tenham acesso.

4. Azaleia

A azaleia é uma das flores mais populares no Brasil, seja em vasos ou jardins. No entanto, todas as suas partes contêm andromedotixina, uma substância que causa disfunções cardíacas.

Além disso, ela também causa distúrbios digestivos, tremores, convulsões e até mesmo cegueira. Ela também pode ser tóxica para humanos.

5. Espada de São Jorge

A espada de São Jorge, além de ser comum em residências, é facilmente encontrada em praças e locais públicos. Por isso, também é preciso ter cuidado com ela ao levar seu animal para passear, ou deixá-lo sair na rua.

Todas as partes da planta são tóxicas e causam irritação das mucosas e dificuldades respiratórias. Ela também é nociva para os humanos e muitas vezes causa irritações na pele.

6. Espirradeira

Assim como a azaleia, é uma flor de cor bonita e chamativa. Por isso, além de ser uma das plantas tóxicas mais perigosas para animais, pode acabar sendo ingerida por crianças.

Sua ingestão causa arritmia, paralisia e dispneia, podendo levar ao coma e à morte. É preciso ter muita atenção em caso de suspeita de intoxicação por ingestão de espirradeira, pois os sintomas não são imediatos — podem aparecer até 24 horas depois.

Para evitar problemas, é importante manter o animal sem acesso a essas plantas ou evitar tê-las em casa. Você pode escolher espécies que não são tóxicas, como erva-doce e capim-santo.

Em caso de intoxicação, é importante levá-lo imediatamente ao veterinário. Procure observar a quantidade que foi ingerida, pois isso interfere muito na letalidade.

Agora que você já sabe tudo sobre plantas tóxicas para animais e como evitar problemas com os pets, que tal compartilhar essas informações com seus amigos nas redes sociais?

Como manter um jardim bonito e bem cuidado? 6 dicas essenciais

Para ter um jardim sempre bonito, com plantas que duram por muitos anos e florescem sempre, é preciso tomar algumas medidas importantes, como adubar na hora certa e evitar parasitas.

Ao contrário do que se pode pensar, essa não é uma tarefa tão difícil. Se quer descobrir como manter um jardim lindo e saudável em casa, este post é para você! Continue a leitura e confira!

1. Cuide de acordo com a estação

É muito importante variar os cuidados com o jardim de acordo com o clima. Por exemplo, no inverno, quase toda planta precisa ser regada com menos frequência, pois há menos evaporação de água.

Quem não toma esse cuidado corre o risco de acabar com um solo encharcado, o que deixa as plantas feias e, até mesmo, com a raiz apodrecida.

2. Apare

Nem toda planta precisa de uma poda completa para continuar se desenvolvendo bem. No entanto, de tempos em tempos, é importante aparar os seus excessos e suas partes secas.

Em geral, esse tipo de manutenção deve ser feito na primavera e no verão, pois são as estações mais quentes, e é mais comum que haja algumas folhas secas. Para isso, basta uma simples tesoura de jardim.

3. Adube

Como manter um jardim bonito por muitos anos? Adube as plantas! Essa é a principal maneira que elas têm de obter nutrientes necessários para sobreviver. A adubação deve ser feita logo antes do verão e do inverno, e você pode escolher entre vários tipos de compostos.

O mais recomendado é usar substrato e composto orgânico. 

4. Evite pragas

Se notar que as folhas estão “comidas” ou com aparência anormal, pode ser por culpa das pragas. As pragas podem ser insetos, como formigas, largartas ou fungos, e são mais comuns na primavera.

Para jardins maiores, pode ser preciso usar pesticidas, mas há muitas opções de receitas caseiras que podem livrar suas plantas de espécies indesejáveis.

5. Proteja o jardim do clima

Cada planta tem suas particularidades: algumas não gostam de sol direto,  e existem aquelas que são muito frágeis contra o frio e devem ser trazidas para dentro de casa nesses dias.

Por isso, é preciso protegê-las das variações climáticas e escolher sempre espécies que se dão bem com o tipo de clima da região onde você mora.

A azaleia, por exemplo, é uma planta que se dá bem com o frio e floresce no inverno. Se você mora em uma cidade de clima mais ameno, pode cultivá-la em casa tranquilamente.

6. Conte com um paisagista

Nem sempre é possível manter um jardim impecável sozinho. Por isso, se você está tendo dificuldades, tem dúvidas sobre as plantas e sua manutenção, ou simplesmente deseja uma aparência melhor, conte com um especialista.

O paisagista é o profissional que pode escolher plantas para a sua casa levando em conta a estética, o solo, o estilo do resto do imóvel, o clima e muito mais.

Saber como manter um jardim sempre em bom estado é muito importante para deixar a sua casa mais bonita, alegre, e sempre livre de insetos e pragas. Se você gostou deste post, que tal nos seguir no Facebook e no Instagram e acompanhar novos conteúdos?

Saiba quais são as principais plantas aromáticas e como escolhê-las

Plantas embelezam um ambiente e também promovem contato com a natureza, além de manterem sua casa mais fresca. Outra vantagem é que elas podem trazem aromas agradáveis se forem plantas aromáticas.

Se você tem interesse pelo último aspecto citado, que tal conhecer flores e ervas com fragrâncias marcantes e escolher as melhores para o paisagismo de sua casa? Veja os detalhes de cada planta na lista que preparamos abaixo!

Ervas aromáticas

Nessa categoria, elencamos três plantas ideais para uma horta. Elas podem ser plantadas no solo ou em vasinhos (de preferência na cozinha, visto que podem ser usadas como tempero).

Sálvia

Com uma oferta generosa de cores, suas flores podem ser roxas, vermelhas, creme ou rosa. Assim, a sálvia é uma boa opção para criar um padrão homogêneo no jardim mas que pode, ou não, variar na coloração.

Se quiser cultivá-la em vaso, prefira a espécie anã, já que a sálvia comum se adapta melhor em canteiros. O cheiro da sálvia é considerado “amargo”, e se você deseja usá-la para cozinhar, pode temperar carnes, principalmente para dar picância.

Tomilho

Forma arbustos pequenos, com folhas bem verdes e resistentes ao sol. Dá flores esbranquiçadas ou arroxeadas no fim da primavera/início do verão. Com cheiro considerado “fresco”, o tomilho é uma boa opção para regiões mais secas, visto que não exige rega constante.

É uma planta versátil para paisagismo, pois cresce bem tanto em vasos quanto em jardineiras e canteiros. O tomilho moído vira um bom tempero para pratos gordurosos, ajudando com a digestão.   

Hortelã

É uma erva muito conhecida, principalmente por seu aroma característico e fresco. Suas flores aparecem em pleno verão, mas as folhas mantêm constantemente o perfume.

Considerada uma planta invasiva (que não permite o crescimento de outras ao seu redor), deve ser plantada sozinha (se for em vaso) ou afastada de outras (se for no solo). Ela pode tomar sol, mas o ideal é deixá-la a meia-sombra e regá-la frequentemente.

Flores aromáticas

Partindo para as plantas mais ornamentais, apresentamos abaixo três opções com flores lindas e bem perfumadas. Elas podem ser deixadas em vasos nos cômodos da casa ou serem plantadas no jardim.

Gardênia

Forma arbustos com flores brancas ou amareladas de perfume adocicado. Nas áreas externas, ela alcança até 2 m de altura e pode ser usada para criar cercas vivas. Mas, para isso, é necessário atenção especial à poda, que deve ocorrer após a floração.

Se cultivada dentro de casa, chega aos 60 cm de altura. A gardênia dura mais tempo se mantida exposta ao sol, mas precisa de umidade, ou seja: de rega constante.

Lavanda

Uma das plantas aromáticas mais conhecidas, a lavanda é resistente ao sol e à seca, por isso fica bem em áreas abertas. Vem da Europa, e a espécie que se adapta melhor no Brasil é a levandula detata (alfazema).

Sua oleosidade intensifica seu perfume (que ajuda, inclusive, a afastar insetos). Ela se desenvolve em arbustos de até 90 cm, geralmente dispostos em filas. Precisa de sol pleno e deve ser regada apenas quando o solo estiver seco.

Manacá de cheiro

É um arbusto nativo do Brasil, com flores de cor violeta que ganham um tom branco com o tempo. Pode atingir até 2,5 m de altura, portanto, precisa de bastante espaço e é indicado para áreas externas. Dependendo da poda, pode ficar com forma de árvore ou cerca viva.

Como é originário da Mata Atlântica, o manacá se adapta bem a regiões onde essa vegetação era predominante, como o litoral.

Cuidados com plantas aromáticas

Para que suas plantas aromáticas durem bastante tempo, alguns cuidados são essenciais:

  • cultive-as, de preferência, no exterior da casa, para aproveitar a luz e a ventilação naturais;
  • no inverno, traga-as para dentro, especialmente as mais frágeis;
  • na cozinha, deixe os vasos longe do fogão ou forno, pois muitas plantas aromáticas não suportam calor intenso; 
  • proteja a terra com casca de madeira ou cascalho (isso ajuda a manter a umidade e diminui a necessidade de rega);
  • opte por plantas com períodos de floração diferentes, assim não haverá mescla exagerada de perfumes.

Com essa lista de opções, e conhecendo os cuidados básicos, já fica mais fácil escolher o que cultivar em casa, não é? Você recomenda ou conhece outras plantas aromáticas? Então conta para a gente nos comentários!

Veja aqui como montar uma prateleira de pallet para plantas

Os pallets de madeira são alternativas econômicas e sustentáveis que podem ajudar no paisagismo e decoração dos ambientes. Principalmente nos espaços externos, esse elemento é perfeito para criar composições com um estilo rústico, mas que pode contrastar com a delicadeza de flores e itens de decoração, como é o caso da prateleira de pallet para plantas.

Originalmente usados como suporte no transporte de cargas, há algum tempo os pallets caíram no gosto dos profissionais que gostam de usar elementos naturais nos ambientes. Eles são versáteis e funcionam bem como suporte de sofás, camas, mesas, prateleiras e estantes. Seus principais atrativos são o ótimo custo-benefício e, claro, as possibilidades de reutilização.

Neste post, explicamos como você pode montar uma prateleira de pallet em casa para valorizar a decoração, além dos materiais necessários. Confira!

Prateleira de pallet para plantas

Caso não seja possível reaproveitar os pallets, eles podem ser adquiridos em lojas de materiais de construção. O ponto positivo é que o pallet pode ser encontrado tanto em tonalidades claras quanto escuras, permitindo diferentes tipos de combinações.

No caso de estantes para áreas externas, como varandas e sacadas, é comum que as prateleiras de pallet sejam decoradas com vasos de plantas. Nesse caso, não se esqueça de que é importante garantir que a estrutura das prateleiras seja reforçada para suportar o peso.

A preparação do pallet inclui lixar a madeira, para deixá-la sem farpas e sujeira, e uma pintura, de acordo com a cor desejada. Caso prefira deixar a cor natural, apenas tenha o cuidado de passar verniz próprio para o material, pois ele protegerá a madeira do sol e da chuva.

Materiais e passo a passo

As prateleiras feitas com pallets não precisam ser usadas apenas nas áreas externas como suporte para plantas. Elas também servem como estantes para livros, na cozinha comportam utensílios domésticos, entre muitas outras opções.

Se quiser fazer prateleiras para plantas, os materiais necessários são:

  • pallet;
  • lápis preto;
  • martelo;
  • serra;
  • lixa;
  • suporte para vasos;
  • vasos para as plantas;
  • verniz para madeira;
  • pregos.

Como fazer:

Usando o lápis, comece marcando no pallet as dimensões da prateleira. Se tiver experiência, use a serra para cortar a madeira, mas, caso não saiba usar a ferramenta, peça ajuda a um profissional para cortar exatamente o que precisa.

As tábuas que foram cortadas podem ser fixadas no pallet para funcionarem como o suporte da prateleira. Feito isso, use a lixa para tirar as farpas e deixar a madeira limpa. Em seguida, passe o verniz para deixar a peça protegida. Por último, encaixe os suportes e coloque os vasos já com as plantas.

Alguns cuidados necessários

Para ter um acabamento mais bonito, sempre lixe e faça a pintura respeitando o sentido das veias da madeira. Antes de pintar toda a peça, pesquise e faça testes de cor, tanto com a tinta quanto com o verniz. Assim, os riscos de não gostar do resultado serão menores.

Entre uma demanda e outra, quando a peça estiver seca, passe a lixa para ter um resultado mais bonito. Caso queira um pallet colorido, não apenas envernizado, prefira tinta esmalte e escolha o acabamento de sua preferência.

E se você gostou deste conteúdo sobre prateleira de pallet para plantas, aproveite para conferir também o post que já fizemos sobre jardim em casa!